FilmCraft: Editing #QuickLivro

Faz um bom tempo, já não lembro quanto, que o meu grande amigo João Flávio Baêta me presenteou com esse livro: FilmCraft: Editing, de Justin Chang, publicado pela londrina Ilex. O livro faz parte de uma série sobre os ofícios do cinema, como direção, produção, fotografia, roteiro, design de produção, figurino e claro, edição. Enrolei por um bom bocado, mas finalmente devorei o bangue essa semana…

Esse singelo livreto, ótimo pra deixar na sala de TV para quebrar o gelo, consiste em entrevistas com interessantes figuras criativas do cinema mundial e algumas passagens sobre profissionais que já partiram (lista no fim do post). Infelizmente, nenhum brasileiro no time.

Aposto que foi me dado esse presente por conta da capa do livro que conta com a bela interpretação do Joker de Heath Ledger. Enquanto imagino que essa imagem tenha apetecido o meu amigo Nose, também acredito que a mesma possa repelir alguns cinéfilos old-timers. Mesmo embora, Lee Smith tenha ganhado um Oscar pelo trabalho em Dark Knight. No entanto, contudo, entretanto, venho através desse tentar iluminar meus colegas e humildemente sugerir que confiram os textos nesse livro escritos.

O livro conta com insights curiosos dos editores e comentários sobre os filmes em que trabalharam e outros editores que os influenciaram. E ainda, notas do autor Justin Chang sobre termos e expressões utilizados pela classe. E melhor, várias fotos e frames retirados dos filmes para ilustrar as falas dos entrevistados.

O editores comentam seus cortes e transições, o que pensam sobre timing, feeling e ritmo e também a diferença e evolução dos aparatos de edição, desde a moviola aos digitais Avid e Final Cut Pro (preferidos pela grande maioria) passando pelos flatbeds, K-E-M e Steenbeck.

Através da generosidade desses fodásticos editores pude reforçar várias convicções, reflexões, conceitos e práticas que experimentei com a minha própria experiência na edição. Também pude confirmar de vez minha paixão pela edição. Mesmo com o meu perfil one-man-film-crew, em que escrevo, produzo, dirijo, fotografo, gravo, apresento, edito e publico meu material, acredito que a edição ainda seja minha qualidade mais forte.

Leitura recomendada para quem já trabalha com cinema e vídeo, ou quem interessa-se muito em entender melhor essa função. Já não recomendo tanto para quem tem um gosto pelos filmes e não muita curiosidade sobre sua feitura. FilmCraft: Edição é delicioso e de leitura rápida, mas para um público mais específico. Só posso esperar que os demais temas da série sigam o mesmo estilo.

Agora… senti falta de um capítulo com Thelma Schoonmaker, colaboradora de longa data de Martin Scorsese, tendo editado todos os seus filmes desde Raging Bull (1980) até Silence (2016), mas Who’s that knocking at my door (1967).

A propósito, aceito os demais livros da série de presente de carnaval. 😉

FilmCraft06

Em FilmCraft: Editing encontra-se entrevistas com Walter Murch (O Poderoso Chefão, Apocalypse Now, Touch of Evil), Stephen Mirrone (Traffic, 21 Gramas, Ocean’s Eleven, Twelve e Thirteen), Dylan Tichenor (There will be blood, O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford), Valdís Óskarsdóttir (Brilho eterno de uma mente sem lembranças), Joel Cox (Menina de ouro, Mystic River), William Chang Suk-ping (Chunking Express, 2046), Angus Wall & Kirk Baxter (Fight Club, Se7en), Lee Smith (O Grande Truque, Dark Knight), Christopher Rouse (Trilogia Bourne, Green Zone), entre outros.

E notas póstumas de Peter Zinner (Franco atirador, O Poderoso Chefão pt.2), Dede Allen (Dia de cão, The Hustler), Sally Menke (que editou tudo do Tarantino, desde Cães de Aluguel até Bastardos Inglórios, antes de seu falecimento).

E aí, o que você acha? E o que você leu essa semana? Seguimos, B.

Comments

comments

Add a comment